Na Ucrânia, mulheres trans são impedidas de deixar o país

Na Ucrânia, as mulheres trans estão enfrentando dificuldade para deixar o país em meio a invasão da Rússia. De acordo com o portal americano VICE, essas mulheres que tentaram deixar o local não cruzaram as fronteiras por seus documentos apontarem suas identificações de gênero como “masculino” e ainda usarem os seus “nomes de batismo”.

LEIA MAIS:
90 anos do sufrágio feminino no Brasil: 4 ícones da longa luta das mulheres pelo direito ao voto
Empresas com CEOs mulheres pagam menos para outras líderes
Uma a cada quatro mulheres no mundo sofreu violência por parceiro, diz estudo

Assim que o ataque russo começou, a Ucrânia determinou que homens entre 18 a 60 anos não podem deixar o país, que não possui uma política de gênero adequada e humanizada. Na Ucrânia, a mudança nos documentos vem somente após “meses de instituições mentais, com testes físicos e psicológicos, para provar”. Por esse motivo, muitos pedidos de alteração não foram aceitos ou concluídos.

Organizações e ativistas têm tentado chamar a atenção do povo para esses casos. Em entrevista à VICE, a cantora ucraniana Zi Faámelu, que mora em Kiev, relatou que se vê presa em sua casa e com medo de tentar sair.

“Pessoas trans agora se sentem esquecidas, negligenciadas, abandonadas. Nós realmente somos invisíveis no momento. Nós precisamos das Nações Unidas, nós precisamos de organizações dos direitos humanos. Precisamos de pessoas para nos ajudar a sermos percebidos”, disse ela ao portal.

No Instagram, Zi chegou a comentar sobre o assunto em um post: “Eu não sou um homem de peruca, eu sou uma mulher. Eu sou um ser humano e eu tenho os meus direitos, a minha vida importa. Parem com os insultos. Eu sei que existem coisas mais graves acontecendo na Ucrânia. Mas se eu puder usar a minha voz para fazer algo bom, eu vou usar, e vou lutar pela minha comunidade”, escreveu.

Ainda para a VICE, uma pessoa não-binária contou que pessoas trans também não se sentem confortáveis de chegar a países como a Polônia e Hungria, que possuem “leis” ainda mais transfóbicas.

Rain Dove, modelo e ativista, tem orientado na fuga os ucranianos, além de garantir apoio. “Se você é uma mulher trans, com um ‘M’ no seu passaporte, ou uma pessoa não-binária com um ‘M’, nós recomendamos que você ‘perca’ seu passaporte antes de falar com oficiais ucranianos. Esconda sua identificação. Se você for parado, fale que não é da Ucrânia, é um estudante ou só está visitando. […] Se você é um homem trans, com um ‘F’ na sua identificação, prepare-se para ser manipulado pelas autoridades. Eles irão dizer ‘se você é mesmo um homem, lute pelo seu país. Essa é, infelizmente, uma coisa muito comum. Você também pode esconder sua identificação, mas conhecemos pessoas que ficaram para lutar”.

Fonte: Marie Claire

Compartilhar: