Supremo promove debate sobre Justiça pela perspectiva das mulheres

Mulheres que se destacam por sua atuação nas mais diversas áreas da sociedade se reúnem para debater a Justiça sob a perspectiva feminina nesta sexta-feira (10/12), data em que se comemora o Dia Internacional dos Direitos Humanos. Magistradas, empresárias, artistas, pesquisadoras, economistas, jornalistas, advogadas, diplomatas, médicas, escritoras e acadêmicas participam do seminário “Por estas e por outras”, iniciativa comandada pelas ministras do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia, Rosa Weber e Ellen Gracie (aposentada).

LEIA MAIS:
5 razões pelas quais as mulheres pertencem à suíte C
Pandemia aprofunda desigualdade entre mulheres e homens no empreendedorismo
Violência política contra as mulheres será debatida na Câmara nesta segunda

O encontro começa às 10h, com o painel “Preços e desapreços: violência custa a vida”. A presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministra Maria Cristina Peduzzi dissertará sobre “O justo e o jurídico no (des)cuidado de gênero”. Ainda na esfera do trabalho, a empresária Luiza Helena Trajano falará sobre “Oportunidades e embaraços para a mulher trabalhadora”.

Sob a perspectiva econômica mais ampla, a economista Maria Silvia Bastos Marques fará sua explanação a partir da seguinte indagação: “Economia iguala? Desiguala?” Por fim, a jornalista Flávia Oliveira trará sua visão social sobre outro questionamento: “Pobreza e desigualdade: mulher sofre mais?”.

O segundo painel do seminário, a partir das 14h, tem o tema “Dignidades/Indignidades: ser no mundo”. Participam a advogada Samara Carvalho Santos, que falará sobre “Feminino verde: as matas e as mortes”, e a cantora Zélia Duncan que trará um olhar sobre a “Construção cultural da igualdade”. Ainda nesse painel, a embaixadora do Canadá no Brasil, Jennifer May, trará para o debate “Um olhar internacional sobre a violência contra a mulher”. Já a jornalista Ana Paula Araújo, que tem livro publicado sobre o tema, falará sobre “A desigualdade (que) violenta”.

O terceiro e último painel, intitulado “Passados e não passados”, será aberto com a palestra da escritora e historiadora Heloísa Murgel Starling, que apresentará “A perspectiva histórica da desigualdade de gênero”. Em seguida, se apresenta a médica e presidente da Rede Sarah, Lúcia Willadino Braga, que falará sobre “Acesso à saúde: o justo/injusto para a mulher”. E a professora de Direito Civil, Comercial e Econômico da Universidade de Brasília UnB Ana Frazão tratará sobre “Educação: formação e transformação”.

O debate

Todo o seminário terá transmissão em tempo real pela Rádio Justiça, pela TV Justiça e pelo canal do STF no YouTube.

Fonte: CNJ

Compartilhar: