Quais as principais doenças que mais afetam as mulheres?

Câncer de mama, endometriose, infecção urinária, câncer no colo do útero, fibromialgia, depressão e obesidade estão entre as principais doenças que acometem as mulheres.

Na última quinta-feira, 28, celebrou-se o Dia Internacional da Luta pela Saúde da Mulher, que estimula a prevenção e os cuidados feminino contra as doenças.

A ginecologista e obstetra Rachel Sá, e o médico especialista em reprodução humana, Matheus Roque, apontam fatores que merecem atenção para uma vida mais saudável.

Leia mais:
Mulher de 103 anos comemora cura do coronavírus bebendo cerveja
Magazine Luiza ganha destaque na luta contra violência doméstica nas redes sociais
Salma Hayek lança campanha para combater violência doméstica durante quarentena

Opinião de especialistas

Segundo a ginecologista, há três questões fundamentais para que as mulheres tenham mais saúde: cuidado com o corpo e saúde mental, além do planejamento reprodutivo.

“Ter cuidados com a obesidade, hábitos saudáveis como a prática de exercícios físicos regularmente e uma dieta com inclusão de alimentos naturais são requisitos fundamentais para ter uma boa saúde, assim como a realização de exames para a prevenção do câncer de mama e do câncer de colo de útero, pois algumas doenças sendo diagnosticadas logo no início, a possibilidade de cura é maior”, informa a médica.

Outro fator a ser considerado é a saúde mental e o bem-estar, que são necessários para lidar com a complexidade do dia a dia.

“A Organização Mundial de Saúde (2000) afirma que a saúde mental feminina é afetada por seu contexto de vida ou por fatores externos (socioculturais, econômicos, de infraestrutura ou ambientais) e a identificação e a transformação desses fatores pode ser uma direção para prevenção primária”, ressalta a ginecologista.

Planejamento reprodutivo

Já o planejamento reprodutivo também é importante por contribuir para prática sexual mais saudável, de acordo com a médica.

O que possibilita o espaçamento das gestações e a recuperação do organismo da mulher após o parto.

Isso acaba melhorando as condições para o cuidado dos filhos junto com seu parceiro.

“É importante manter os exames em dia e se prevenir das doenças infecciosas, além de ser de suma importância adotar métodos contraceptivos. O SUS oferece serviços que garantem sigilo e métodos que previnem gravidez indesejada e doenças sexualmente transmissíveis como preservativos masculinos e femininos , além da colocação de DIU de cobre”, explica a médica.

Em termos reprodutivos, as principais causas da infertilidade na mulher são alterações tubárias, alterações na ovulação, alteração no útero, endometriose e idade também.

“A qualidade e a produção dos óvulos caem drasticamente após os 35 anos, diminuindo-se as chances de gravidez natural e aumentando-se os riscos de aborto e doenças cromossômicas. Por isso, recomenda-se que casais onde a mulher tenha mais de 35 anos, procurem por uma avaliação com especialista depois de 6 meses de tentativas de gestação natural sem sucesso”, explica Roque.

Já a endometriose é causada pelo tecido interno que reveste o útero (endométrio) e se implanta em outros órgãos da região do abdômen por razões ainda desconhecidas.

A doença causa dor e desconforto à paciente, além de afetar a fertilidade.

“É uma doença complexa, que pode afetar as mulheres em vários graus e formas, de acordo com a localização das lesões e o grau de comprometimento dos órgãos e a severidade da doença. A endometriose, por diversos mecanismos, pode influenciar negativamente na qualidade do óvulo e na implantação do embrião, causando impacto negativo na capacidade fértil”, observa Matheus.

Via: Folha Vitória

Compartilhar: