Plataforma de investidoras-anjo liderada por mulheres negras será lançada no Brasil

A Black Women Investment Network (BLACKWIN) será lançada no dia 25 de julho, durante evento online aberto ao público. A plataforma atuará como um clube de investimentos com o objetivo de estimular as mulheres negras a viabilizar o seu protagonismo como investidoras-anjo. Embora seja novidade no Brasil, já existem outros grupos com o mesmo propósito em países como Senegal, Reino Unido e Estados Unidos.

LEIA MAIS:
Vaticano terá mulheres em conselho de Papa pela primeira vez
Endometriose afeta uma em cada 10 mulheres brasileiras
Os preconceitos da Ciência que põem em risco vida de mulheres e negros

Plataforma: Black Women Investment Network (BLACKWIN)

A plataforma nasceu por iniciativa da economista e empresária Luana Ozemela, que é fundadora e presidente da DIMA Consult, empresa especializada em desenvolvimento econômico, e conselheira na CVM.

“O grupo se inspira nos movimentos de articulação econômica e social para emancipação do povo negro, liderados no século 18 por mulheres negras – como a Irmandade da Boa Morte, que reunia mulheres negras escravizadas e libertas no recôncavo baiano”.

Dados da PNAD 2005-2018 mostram que, apesar das empresas lideradas por pessoas negras crescerem mais rapidamente em número e volume, o capital investido nelas não é compatível com o tamanho da população negra, e é bem inferior ao que os empreendedores brancos recebem.

“Não sabemos os dados sobre a participação de mulheres negras no mercado de investimento no Brasil, mas sabemos que apenas 16% dos investidores-anjo são mulheres e 3 % se declaram negros, pardos ou indígenas”.

A estimativa do clube é que sejam investidos R$ 100 mil por rodada na plataforma, que podem ser alavancados por aliados e co-investidores, tornando o capital da BlackWin uma espécie de catalizador de investimentos.

Na hora de escolher as empresas que receberão aporte de capital também serão levados em conta os seguintes fatores:

  • inovação social ou tecnológica do negócio;
  • startups em estágio de maturidade (MVP);
  • empresas que estejam trabalhando para atingir os objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS);
  • e que tenham sede e operação no Brasil.

Fonte: Valor Investe

Compartilhar: