3 mulheres que tiveram seu trabalho roubado por homens

De salários baixos a pouco reconhecimento e ocupação de cargos de poder, a figura da mulher sempre foi desvalorizada na estrutural social machista da sociedade, uma luta menosprezada que prevalece até hoje, apesar de todas as evoluções.

LEIA MAIS:
Mulheres poderiam aumentar desempenho profissional em 4,7 vezes se tivessem apoio de suas lideranças
Ambev oferece bolsas de estudos para mulheres trabalharem com tecnologia
Na Ucrânia, mulheres trans são impedidas de deixar o país

Por outro lado, a representação do homem sempre prosperou como se fosse o único detentor de todo o tipo de conquista e espaço. Evolução, poder, inteligência e conquistas — ferramentas que constroem um país e impulsionam o mundo — sempre estiveram associadas às mãos masculinas, enquanto às mulheres era atribuído uma vassoura, a mão do próprio filho ou guardanapo de pano para enxugar a louça.

Ainda que a estrutura patriarcal tenha tentado, por vezes com muito êxito, silenciar e limpar a mulher de vários contextos históricos, elas ainda assim continuaram desenvolvendo trabalhos em vários campos sociais, da ciência à medicina. Mas onde estão seus nomes ao longo da História? Em que momento os livros seculares as mencionam e lhes dão os devidos créditos?

Mulheres que tiveram seu trabalho roubado por homens

Essas são 3 mulheres, de uma lista imensa, que tiveram seu trabalho de contribuição para a humanidade roubado pelo privilégio, em sua maioria branco, de um homem.

(Fonte: Wikimedia Commons)

Rosalind Franklin

Uma molécula de DNA consiste em duas fitas que se enrolam como uma escada torcida, mantidas juntas por ligações entre as bases, com a adenina formando um par de bases com a timina, e a citosina formando um par com a guanina. Isso é chamado de dupla hélice, a estrutura de uma molécula de DNA, cuja descoberta por Rosalind Franklin trouxe melhores tratamentos médicos, novos medicamentos, melhores diagnósticos de doenças, e entre outros benefícios.

Tudo isso por causa da química britânica envolvida no estudo do DNA no King’s College, em Londres, quando produziu uma imagem inovadora, em 1951. Mas todo o crédito da descoberta foi para James Watson e Francis Crick quando um colega dela mostrou seu trabalho, sem permissão, aos dois homens.

Dois anos depois, Watson e Crick publicaram “suas” descobertas e deram apenas uma referência passageira às contribuições de Franklin. Eles receberam o Prêmio Nobel por isso e Franklin não recebeu nada.

(Fonte: Anspach Archives)

Elizabeth Magie

Em 1930, Charles Darrow foi de um mero vendedor de aquecedores desempregado a um dos maiores milionários dos Estados Unidos quando a empresa Parker Brothers apresentou para as famílias do país o jogo Monopoly.

O homem se tornou o primeiro a ficar milionário com jogos de tabuleiro, se tornando a síntese de como era “vencer na América”, fortemente importando o tão famoso “sonho americano” como se fosse uma realidade fácil ou alcançável para os imigrantes que chegavam na terra do Tio Sam.

O que poucos sabem é que, 30 anos antes, Elizabeth Magie criou o The Landlord’s Game, e foi a partir dele que Darrow inventou seu Monopoly, da estrutura às estratégias, para qual a Parker Brothers comprou a patente de Magie, que arrecadou apenas US$ 500 e foi totalmente ofuscada pelo subsequente sucesso.

(Fonte: Wikimedia Commons)

Hedy Lamarr

Ela foi bem mais do que uma estrela dos filmes da Era de Ouro dos estúdios de Hollywood. Inventora muito à frente de seu tempo, Lamarr colaborou com o compositor George Antheil para criar um sistema de orientação para torpedos por rádio.

A atriz teve sua mente brilhante subestimada pelos homens, que só a enxergavam pela sua beleza, até conhecer Howard Hughes, responsável por alimentar o fascínio dela pela ciência, chegando a dar um conjunto de ferramentas que a permitiam trabalhar em invenções do seu trailer nos sets de filmagens.

Foi em meados de 1940 que Lamarr conheceu Antheil, durante um jantar em que ela se abriu sobre o caos da Segunda Guerra Mundial e como não se sentia confortável em não colaborar com nada para o seu país enquanto pessoas morriam a todo o momento. Foi assim que ela e Antheil começaram a discutir maneiras de combater as forças do Eixo, chegando à ideia de um sistema de comunicação por ondas de rádio usado com a intenção de guiar torpedos para seus alvos de guerra.

A dupla apresentou a proposta para a Marinha dos EUA, que fingiu desinteresse apenas para roubar a ideia deles, classificarem a patente e, 20 anos depois, lançar a tecnologia que serviria de base para os sistemas de comunicação Wi-Fi, GPS e Bluetooth no futuro.

Fonte: Mega Curioso

Compartilhar: