As mulheres mais ricas do mundo em 2022

Entre os 2.668 bilionários da lista da Forbes de 2022, há poucas mulheres: apenas 327, menos que as 328 do ano passado. Ao todo, essas mulheres (incluindo aquelas que compartilham sua fortuna com cônjuge, filhos e irmãos) valem US$ 1,56 trilhão (R$ 7,23 trilhões, na cotação atual), contra US$ 1,53 trilhão em 2021.

LEIA MAIS:
Um novo crime na política: a violência contra candidatas ou mulheres eleitas
Vamos galera, mulheres! As conquistas das mulheres dentro e fora de tech
Mulher que transou com morador de rua é exposta o tempo todo e ninguém liga

Desse grupo de mulheres ultra-ricas, 226 herdaram sua riqueza, incluindo as três com maior fortuna do mundo: a herdeira da L’Oréal, Françoise Bettencourt Meyers, a herdeira do Walmart, Alice Walton, e Julia Koch, que herdou uma participação nas Indústrias Koch quando seu marido, David Koch, morreu em 2019.

A nova bilionária mais rica deste ano também é herdeira: Renata Kellnerova, da República Tcheca, e seus quatro filhos herdaram cerca de US$ 16,6 bilhões (R$ 77 bilhões) depois que seu marido, Petr Kellner, morreu em um acidente de helicóptero em março de 2021.

Na lista deste ano, 101 mulheres são self-made – o que significa que fundaram ou cofundaram uma empresa ou estabeleceram sua própria fortuna, em vez de herdá-la – incluindo a empreendedora de fornecimento de telhados Diane Hendricks, a cofundadora da Gap Doris Fisher e a empresária de jogos online Denise Coates, do Reino Unido.

Novatas notáveis ​​deste ano incluem Rihanna, cujo império de beleza lhe deu o título de primeira bilionária de Barbados; Melanie Perkins, de 34 anos, que cofundou a startup de design Canva; e Melinda French Gates, que aparece sozinha na lista se divorciar de Bill Gates em meados de 2021.

Os EUA têm o maior número de bilionárias do mundo, com 90, seguidos pela China (63, incluindo 11 de Hong Kong) e Alemanha (35).

Conheça as dez mulheres mais ricas do mundo

Françoise Bettencourt Meyers

Patrimônio líquido: US$ 74,8 bilhões (R$ 347 bilhões)

Fonte da riqueza: L’Oréal

País: França

Bettencourt Meyers é a mulher mais rica do planeta pelo segundo ano consecutivo. Ela é neta do fundador da gigante da beleza L’Oréal e apareceu pela primeira vez na lista de bilionários do mundo em 2018, após a morte de sua mãe, Liliane Bettencourt, que era até então a mulher mais rica do mundo.

Alice Walton

Patrimônio líquido: US$ 65,3 bilhões (R$ 303 bilhões)

Fonte da riqueza: Walmart

País: EUA

Filha do fundador do Walmart, Sam Walton, a fortuna de Alice Walton aumentou cerca de US$ 3,5 bilhões (R$ 16 bilhões) no ano passado graças à alta das ações do Walmart. Ela era a mulher mais rica do mundo em 2020, mas perdeu seu lugar para Bettencourt Meyers.

Julia Koch

Patrimônio líquido: US$ 60 bilhões (R$ 278 bilhões)

Fonte da riqueza: Koch Industries

País: EUA

Julia Koch, viúva do filantropo David Koch, e seus filhos possuem uma participação de 42% na Koch Industries, a segunda maior empresa privada dos EUA. O irmão mais velho de David, Charles Koch, é presidente e também possui uma participação de 42%.

MacKenzie Scott

Patrimônio líquido: US$ 43,6 bilhões (R$ 202 bilhões)

Fonte da riqueza: Amazon

País: EUA

Desde que se divorciou do fundador da Amazon, Jeff Bezos, em 2019, Scott se tornou uma das maiores filantropas da história. Ela já doou US$ 12,5 bilhões (R$ 58 bilhões) para mais de 1.250 organizações em menos de dois anos.

Jacqueline Mars

Patrimônio líquido: US$ 31,7 bilhões (R$ 147 bilhões)

Fonte de riqueza: Doces e comida para animais de estimação

País: EUA

Mars herdou cerca de um terço da Mars Incorporated, o conglomerado de doces e alimentos para animais de estimação por trás de marcas como M&M’s e Pedigree. A empresa foi fundada por seu avô, Frank C. Mars, em 1911.

Gina Rinehart

Patrimônio líquido: US$ 30,2 bilhões (R$ 140 bilhões)

Fonte da riqueza: Mineração

País: Austrália

Rinehart preside a empresa australiana de mineração e agricultura Hancock Prospecting Group, fundada por seu pai Lang Hancock (falecido em 1992). Durante anos, ela esteve envolvida em uma batalha judicial contra seus filhos adultos por causa de um fundo familiar. O processo deve se arrastar pelo menos até o ano que vem.

Miriam Adelson

Patrimônio líquido: US$ 27,5 bilhões (R$ 127,5 bilhões)

Fonte da riqueza: Cassinos

País: EUA

Viúva do magnata de cassinos Sheldon Adelson, Miriam agora é dona da participação de quase 50% no Las Vegas Sands após a morte de seu marido no início de 2021.

Dois meses do ocorrido, a empresa concordou em vender seus ativos em Las Vegas, incluindo o Venetian Resort e o Sands Expo and Convention Center, por US$ 6,25 bilhões para se concentrar no mercado asiático.

Susanne Klatten

Patrimônio líquido: US$ 24,3 bilhões (R$ 112,7 bilhões)

Fonte da fortuna: BMW e farmacêutica

País: Alemanha

Susanne Klatten possui cerca de 19% da montadora alemã BMW. Ela herdou a participação de sua mãe, Johanna Quandt, e de seu pai, Herbert Quandt, o industrial que é considerado o responsável por resgatar a BMW da falência em 1959. Klatten também é dona da empresa química Altana.

Iris Fontbona

Patrimônio líquido: US$ 22,8 bilhões (R$ 105 bilhões)

Fonte da riqueza: Mineração

País: Chile

Fontbona é viúva do magnata chileno Andrónico Luksic, que morreu de câncer em 2005 depois de construir uma fortuna em mineração e bebidas. Ela e sua família possuem minas de cobre no Chile por meio da Antofagasta Plc, que é negociada na Bolsa de Valores de Londres.

Eles também possuem uma participação majoritária na Quiñenco, um conglomerado chileno de capital aberto que tem negócios nos setores bancário, de bebidas e de manufatura.

Abigail Johnson

Patrimônio líquido: US$ 21,2 bilhões (R$ 98 bilhões)

Fonte da riqueza: gestão de patrimônio

País: EUA

Abigail Johnson é CEO da Fidelity Investments desde 2014, quando assumiu o lugar de seu pai, Ned Johnson III, que morreu em março daquele ano. Ela possui uma participação estimada de 24,5% na empresa, que atualmente tem US$ 4,2 trilhões em ativos sob gestão e foi fundada por seu avô em 1946.

As estimativas de patrimônio líquido foram feitas com base no fechamento dos mercados de 11 de março de 2022.

Fonte: Forbes

Compartilhar: