Mulheres do DF conquistam espaço em profissão com maioria masculina

Buscando aumentar a equidade de gêneros, cada vez mais a presença feminina avança por setores profissionais que, antes, eram majoritariamente masculinos. Quantas mulheres eletricistas você conhece? A resposta ainda pode ser “poucas”, mas essa realidade tem mudado dia a dia.

LEIA MAIS:
Os diários secretos de mulheres afegãs após chegada do Talebã ao poder
Escola cria rede que fortalece e capacita mulheres donas de negócios
Supremo promove debate sobre Justiça pela perspectiva das mulheres

Felizmente, existem cada vez mais mulheres dispostas a enfrentar e vencer a desigualdade, o preconceito e o assédio conquistando uma carreira em diferentes segmentos. Pouco a pouco, vão também derrubando mitos, como o de que o gênero feminino não tem vocação para certas tarefas.

Conheça mulheres eletricistas no DF

Fatores inerentes à função que poderiam ser considerados assustadores – como o contato com fios de alta tensão, a utilização de ferramentas pesadas e a eletricidade – não as intimidam, e, o que se vê é um número cada vez maior de representantes a desempenhar a profissão.

No Distrito Federal, a empresa Neoenergia Distribuição Brasília realizou em outubro deste ano, curso de formação de eletricistas para mulheres e homens exercerem a função. A seleção compôs turma mista na Escola de Eletricistas.

“Com nossas turmas mistas, estimulamos a formação profissional de mulheres e homens, garantindo as mesmas oportunidades de ingresso na profissão e desmistificando a ideia de que a função de eletricista é exclusivamente masculina”, lembrou Régia Barbosa, superintendente de Desenvolvimento Organizacional e Cultura da Neoenergia. “Para a Neoenergia, é fundamental despertar cada vez mais o interesse das mulheres na profissão de eletricista, ampliando a participação feminina na profissão”, acrescentou.

Após a conclusão do curso, que durou cerca de três meses, no último dia 10, a empresa capacitou 19 mulheres para atuar na rede elétrica da capital federal.

Inserção no mercado

Após 480 horas de disciplinas teóricas e práticas ministradas em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-DF), as profissionais passam a integrar o quadro próprio de colaboradores da distribuidora.

“A Neoenergia Brasília acredita que um importante papel social da companhia é fortalecer o mercado de trabalho da cidade, promovendo a equidade de gênero e a ampliação da força de trabalho feminino no mercado”, afirma Frederico Candian, presidente da Neoenergia Brasília.

“Nós vamos efetivar em sua totalidade a contratação desses eletricistas, mulheres e homens, que estão sendo formados com treinamentos específicos para desenvolver atividades nas redes de distribuição. Com isso, reforçamos nossa equipe especializada para garantirmos uma prestação do serviço de qualidade a população do Distrito Federal”, explicou.

Transformação

Giovanna Miranda Leal de Sousa, 24 anos, está entre as 19 mulheres que se formaram no curso e foram contratadas pela Neoenergia no início deste dezembro.

A jovem é estudante do curso de Engenharia Aeroespacial, na Universidade de Brasília (UnB). “Desde o inicio do curso a empresa garantiu a inserção de nós, mulheres, na área da eletricidade. Essa iniciativa estimula a redução da desigualdade de gênero. Nós temos sim espaço neste nicho. Foi um compromisso que a empresa assumiu de nos passar essa segurança”, elogiou Giovanna.

“Nunca tive experiência na área elétrica. Aprendi do zero. Em plena pandemia da Covid-19, ter esse espaço e uma oportunidade de emprego foi algo maravilhoso. Ainda estamos passando por treinamento interno e vamos começar a atuar nas ruas nos próximos dias. A expectativa está alta. Estou apaixonada pela profissão”, completou.

Motivação semelhante é compartilhada por Adna Antoniely de Jesus Santos Gonçalves (foto de destaque). Ela atuava na área de Recursos Humanos quando buscou a oportunidade de colocar em prática o interesse que sempre teve em elétrica.

“Quando me inscrevi no curso, não tinha pretensão. Eu não tinha conhecimentos. O início foi desafiador. O curso foi um divisor de águas na minha vida. Aprendi que é uma profissão muito importante”, destacou.

Confira imagens de Giovanna e Adna em atuação:

Adna ressalta também o apoio compartilhado entre as demais colegas, o que a impulsionou a seguir em frente. Adna comentou que pretende fazer especializações no segmento.

“A melhor parte é sair do curso já empregada. Estou aqui para dar o meu melhor. É o que eu quero fazer pelo resto da vida. A intenção é crescer dentro da empresa e, quem sabe, conseguir me aposentar lá”, disse a eletricista.

Por enquanto, duas turmas de eletricistas formaram-se na Escola de Eletricistas Neoenergia Brasília. Mais um grupo concluirá o curso em fevereiro de 2022, quando a companhia acrescentará ao mercado mais 25 profissionais. No próximo ano está prevista, ainda, a capacitação de mais 50 novos eletricistas em duas novas turmas. Essas devem iniciar, respectivamente, janeiro e junho.

Fonte: Metrópoles

Compartilhar: