Jejum intermitente

É considerado jejum quando ficamos um período mínimo de 6 horas sem ingerir alimentos.

Para nosso organismo continuar funcionando ele utiliza vias alternativas com objetivo de fornecer energia para as atividades vitais.

Essas vias alternativas são chamadas de gliconeogênese , glicogenólise e a cetogênese, que são estimuladas pela produção do glucagon – hormônio produzido nos períodos de jejum.

Estudos realizados em animais comprovaram que o jejum intermitente teve influência na diminuição da gordura visceral, aumentou a mobilização de ácidos graxos e reduziu níveis plasmáticos de glicose e insulina.

Em humanos, encontramos a redução do colesterol sérico e triglicérides, além de diminuir os fatores inflamatórios e o estresse oxidativo e melhorar a atividade cardiovascular e o metabolismo da glicose.

Parece uma prática bem simples e tentadora não é mesmo ?!

Mas calma lá, existem vários tipos de jejum intermitente, com tempos de intervalo diferentes- 12h, 16h, 18h – e como qualquer estratégia nutricional não se aplica para todas as pessoas, afinal, cada organismo é único e reage de maneira diferente.

Por isso, procure sempre auxílio de um profissional quando resolver lançar mão de práticas ou estratégias novas, seja lá qual for seu objetivo, lembre-se que a saúde vem sempre em primeiro lugar. Beijos da Nutri =* 😘🍎

 

Por:

Nutricionista Carolina Saullo
Formada pela UNESP/Botucatu com especialização em medicina do exercício físico e do esporte e mestrado em Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia pela Faculdade de Medicina de Botucatu.
Atuou três anos em consultório, na área de saúde e estética facial e corporal.
Atualmente cursa o doutorado em tocoginecologia.
Compartilhar: