INSS: o que mudou para as mulheres poderem se aposentar em 2022

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) está concedendo a aposentadoria às mulheres de acordo com as regras da Reforma da Previdência, que determinou que a idade mínima para a mulher se aposentar é de 62 anos e os homens 65 anos. Porém, a reforma também garantiu regras de transição para quem já estava trabalhando antes de 13 de novembro de 2019.

LEIA MAIS:
Como as regras eleitorais para 2022 tentam fortalecer candidatura de mulheres e pessoas negras
As mulheres com mais de 50 anos estão quebrando o tabu da idade no amor e no sexo
Entidades criam ferramentas para ajudar mulheres com deficiência a denunciarem violência doméstica

Em 2022, quem mais precisa prestar atenção nas regras são as mulheres que querem se aposentar neste ano.

Regras de Transição – Aposentadoria por idade

As mulheres que se aposentarem por esta regra de transição precisarão ter 61 anos e seis meses e ter contribuído por 15 anos junto ao INSS. Desta forma, quem faz aniversário agora em janeiro, ou seja, a mulher que completar 61 anos neste mês, terá que esperar até julho para poder solicitar a aposentadoria.

Já a mulher que completar 61 anos em fevereiro só poderá pedir o benefício em agosto. As mulheres que nasceram em julho só vão poder pedir a aposentadoria em 2023 quando ficará fixada a idade de 62 anos para elas se aposentarem.

Regra da idade mínima progressiva

Nesta regra será preciso cumprir a seguinte exigência:

  • Mulheres: 57 anos de idade e seis meses e 30 anos de contribuição
  • Homens: 62 anos de idade e seis meses e 35 anos de contribuição

A idade mínima nessa regra de transição subirá seis meses a cada ano até chegar a 62 anos para mulheres, em 2031, e 65 anos para homens, em 2027.

Regra de pontos

Nesta regra de transição deverá ser feita a soma da idade com o tempo de contribuição:

  • 89 pontos para mulheres, sendo necessário ter, ao menos, 30 anos de contribuição
  • 99 pontos para homens, sendo necessário ter, ao menos, 35 anos de contribuição

Essa pontuação sobe um ponto a cada ano até chegar a 100 pontos para mulheres, em 2033, e 105 pontos para homens, até 2028.

Fonte: Jornal Contábil

Compartilhar: