Dia do Orgasmo: 80% das mulheres têm dificuldade para chegar ao clímax

É hora de falar sobre prazer. No próximo domingo (31/7), comemora-se o Dia Mundial do Orgasmo. Pesquisa de uma rede inglesa de sex shop identificou que 80% das mulheres têm dificuldade para atingir o clímax na relação sexual. No Brasil, dificuldades em alcançar esse ápice também é uma queixa recorrente. É o gancho para uma campanha que pretende celebrar o orgasmo, chamando a atenção da população para o tema, com o slogan Atinja, não finja.

LEIA MAIS:
B3 cria programa de treinamento em tecnologia gratuito para mulheres
Beleza natural: produtos veganos e sustentáveis para a rotina de skincare
Plataforma de investidoras-anjo liderada por mulheres negras será lançada no Brasil

O Dia do Orgasmo

O orgasmo nada mais é do que uma experiência psicofísica rápida – dura alguns segundos. Dentre tudo o que compreende o contexto das vivências sexuais, é recente a preocupação com o clímax feminino e com o prazer geral das mulheres durante o sexo.

Muita gente ainda acredita que “o homem é quem dá orgasmo à mulher” ou que o “certo” é aquele obtido através da penetração. Na verdade, é o estímulo do clitóris um bom caminho para que a mulher chegue ao clímax – esse é o único órgão do corpo humano que serve exclusivamente para o prazer.

Segundo Paola Giacomoni, consultora em bem estar íntimo e sexual, o orgasmo é algo que se manifesta de diferentes maneiras, e é único para cada pessoa. “Não existe somente uma região apta ao orgasmo, pois diversas são as zonas erógenas do corpo, sendo todo ele sensível aos estímulos. Basta se descobrir e experimentar novas sensações”, pontua a especialista.

Durante um orgasmo, muitos hormônios de bem estar (como oxitocina, dopamina e endorfinas) são liberados no corpo e funcionam como uma ligação para promover uma maior felicidade, propiciando a satisfação relacional e pessoal.

Produtos voltados para as práticas sexuais também são aliados para a interação entre os parceiros, para a promoção do auto prazer, com influência no próprio conhecimento sobre o corpo.

Fonte: Estado de Minas

Compartilhar: