Banco digital oferece bolsas de estudos para mulheres e comunidade LGBTQIA+

O C6 Bank, em parceria com a iniciativa PrograMaria, está oferecendo bolsas integrais de estudo para mulheres e pessoas da comunidade LGBTQIA+ que queiram dar os primeiros passos na tecnologia. As inscrições para concorrer às bolsas do curso EuProgrAmo estão abertas até as 23h59 do dia 23 de fevereiro por meio >>> deste formulário <<<. O curso é introdutório e não requer conhecimento prévio em programação, apenas habilidades básicas em informática.

LEIA MAIS:
Mulheres da ciência revelam desafios da carreira
Mulheres têm menos chances de ter Covid-19, diz estudo
Mulheres com mais de 50 ganham destaque nas passarelas

O curso EuProgrAmo está em sua 17ª turma e faz parte do Projeto #MaisDiversidadeNaTecnologia, idealizado pela PrograMaria, startup com o propósito de empoderar mulheres e pessoas da comunidade LGBTQIA+ na área de tecnologia e aumentar a representatividade no setor.

Ao longo do curso, as alunas aprenderão conceitos básicos de HTML, CSS, JavaScript e lógica de programação. A ideia é que elas obtenham conhecimento necessário para desenvolver uma página web e terminem a formação com base para iniciar uma trajetória na tecnologia.

A formação ocorrerá de forma 100% online, a partir do dia 28 de fevereiro, e conta com mais de 300 minutos de aulas gravadas, textos, e mais de 40 atividades e exercícios divididos em seis módulos, podendo ser realizada de qualquer parte do mundo. Esses materiais ficarão disponíveis 24h por dia até 27 de março.

Além disso, o curso conta com um fórum para a interação entre as próprias estudantes e com tutoras especializadas. Qualquer pessoa interessada em tecnologia pode se matricular no curso até dia 27 de fevereiro, pagando um dos valores sugeridos pela plataforma. Para se candidatar às bolsas, o prazo é 23 de fevereiro.

Para o programa de bolsas patrocinado pelo C6 Bank, 100 bolsistas serão selecionadas levando em consideração critérios como cor, renda, região, orientação afetiva-sexual, idade, escolaridade dos pais e também se é uma pessoa trans ou travesti, se está desempregada, se é mãe e se possui algum tipo de deficiência.

É necessário ter disponibilidade para participar de todas as atividades do curso, que demanda uma dedicação de cerca de 15 a 16 horas. Também é necessário não ter sido contemplada anteriormente com bolsa de estudo do Curso EuProgrAmo.

A inscrição de mulheres e pessoas de gênero não-heteronormativos, negras, indígenas, LGBTQIA+, trans e travestis, e residentes de zonas periféricas é incentivada. Metade do total de bolsas será exclusiva para mulheres (cis, trans ou em processo de transição) negras.

A divulgação das selecionadas e as instruções para matrícula será feita por e-mail e no blog da PrograMaria, a partir de 25 de fevereiro.

Apesar de serem a maioria da população brasileira, as mulheres representam menos de 6% das vagas ocupadas no setor de tecnologia. Quando se trata de gênero-não binário, esse número cai para 0,5%, de acordo com um estudo da consultoria Stack Overflow realizado em 157 países.

Para a head de marketing e impacto social do C6, Alexandra Pain, o programa de bolsas é uma oportunidade de tornar o ambiente empresarial cada vez mais diverso e inclusivo. “Programas como esse permitem que nosso propósito se transforme em ações concretas, com potencial de mudar a vida das pessoas, e a longo prazo, a sociedade”.

Ao final do curso, o C6 Bank vai convidar as 5 bolsistas que mais se destacarem na participação e entrega de projetos finais para um bate-papo de carreira com executivas de diversas áreas do banco. “Nossa intenção é que essas pessoas conheçam a trajetória profissional e de vida das executivas e mostrar que esse espaço pode ser delas também”, afirma Alexandra. O encontro ocorrerá no dia 8 de abril, na sede do C6 Bank, em São Paulo.

Fonte: Tribuna

Compartilhar: